A consciência da liderança

Richard Barrett, autor do livro “A Organização dirigida por Valores” diz que organizações dirigidas por valores são mais bem sucedidas e explica como é que os valores de uma pessoa refletem em seu estilo de liderança. Na medida em que a pessoa vai ampliando a consciência, vai também elevando seus valores em 7 níveis de consciência, que definem a jornada da evolução humana. Evoluindo em valores, a liderança também evoluirá. Sua teoria, define sete níveis de consciência organizacional que podemos relacionar com 7 níveis de consciência da liderança. Cada nível de liderança está relacionado com a satisfação das necessidades da organização no respectivo nível de consciência.

Satisfazer estas necessidades requer uma consciência ampla, ou como referenciado por Richard Barrett, uma consciência de espectro total. O líder capaz de atuar nos 7 níveis de consciência, obterá maior sucesso, uma vez que está preparado para liderar a organização do ponto de vista de atender todas as suas necessidades. O grande desafio é lidar com os medos e valores potencialmente limitantes nos 3 primeiros níveis, gerando o que Richard Barrett chama de Entropia Cultural. A Entropia Cultural significa a existência de valores potencialmente limitantes que comprometem a organização em seu processo de evolução.

Abaixo, o resumo dos 7 níveis de consciência da liderança, destacando nos 3 primeiros níveis, os efeitos do medo e valores potencialmente limitantes geradores da Entropia cultural, passando pelo nível 4 da Transformação, até chegarmos no nível 7:

Fonte: Richard Barrett (2009, p.67)

Nível 1: Sobrevivência

Conhecem a importância do resultado financeiro e retorno aos acionistas, através do gerenciamento detalhado das finanças. Preocupam-se com as necessidades básicas e segurança dos colaboradores. São cautelosos em situações de maior complexidade, focando em perspectivas de longo prazo paralelamente as questões cotidianas de curto prazo. Lidam bem com crises que possam ameaçar a organização ou colocá-la em situações de risco. Em tais circunstâncias, podem agir de forma autoritária sob risco de comprometerem a confiança e comprometimento dos colaboradores, impactando diretamente nos relacionamentos. Quanto maiores os seus medos existenciais, maior a aversão a riscos, influenciando no trato das emoções. A busca por resultados é incansável e o sentimento de insatisfação financeira, permanente. A conformidade é fortalecida pelo simples cumprimento dos padrões.

Nível 2: Relacionamento

Neste nível, são predominantes as habilidades de relacionamento com foco nas emoções, relações harmoniosas com colaboradores e acessibilidade. Excelentes relações com clientes priorizando a satisfação dos mesmos. Quando sentem ameaçadas as necessidades de serem gostados, ou mesmo de lidarem com as próprias emoções, evitam conflitos, podendo não serem verdadeiros na comunicação interpessoal, manipulando se necessário, para obterem o que precisam. Buscam culpados quando não alcançam os resultados que desejam. São protetores da equipe, tendo como troca na relação, lealdade e obediência. Ao agirem de forma paternalista, podem excluir aqueles que não o percebem desta forma, limitando o empreendedorismo dos colaboradores.

Nível 3: Autoestima

Lógica e planejamento no trabalho, processos, análises e racionalidade na tomada de decisões. Forte pensamento estratégico, controle. Foco no sucesso e em serem sempre os melhores. Quando suas necessidades de autoestima são impactadas por medos subconscientes, buscam o poder, autoridade e reconhecimento construindo burocracias e hierarquias para garantirem a autoridade. Com foco excessivo em sua imagem, podem usar da “política” para atingirem o que desejam.

Nível 4: Transformação

O consenso e compartilhamento de poder predominam. Não há necessidade de terem todas as respostas. As relações são de confiança, com responsabilidade na entrega de resultados. Novas ideias são desenvolvidas no grupo baseadas em relações de igualdade e respeito a diversidade. Não existe hierarquia e a independência é cultivada como forma de libertação de medos na busca da autorrealização. Sem a necessidade de aprovação, há um maior compartilhamento de ideias e a inovação torna-se natural. É o processo de transformação.

Nível 5: Coesão Interna

Missão e visão inspiram colaboradores e principais stakeholders. Valores são compartilhados e os comportamentos são congruentes direcionando as decisões da organização. Existe paixão e entusiasmo coletivo, transparência, e o foco nos resultados são orientados para o bem comum, livres de interesses pessoais. Problemas são vistos sob perspectiva sistêmica, além de causa e efeito, e como oportunidades. Obtém o melhor de si e todas as pessoas na organização.

Nível 6: Fazer a diferença

Estabelecimento de relações de ganho mútuo na organização, com clientes e parcerias com grupos que compartilham de um mesmo propósito. Buscam fazer a diferença no mundo atuando como líderes servidores. As relações extrapolam a organização, impactando positivamente a comunidade local e meio ambiente. São dotados de grande empatia, buscando apoiar os colaboradores no encontro de suas realizações profissionais. Atuam como líder coach e mentores, com o objetivo desinteressado de obterem o melhor de todos na organização. Atuam de maneira protagonista em seu papel de liderança.

Nível 7: Serviço

Visionários motivados pela necessidade em servir ao mundo. O legado a ser deixado para as gerações vindouras, são a base de suas ações. Há conexão da própria missão com a organização sob uma perspectiva social. O mundo é visto como uma grande rede interconectada e possuem total consciência sobre o seu papel. A incerteza faz parte do processo, bem como a ambiguidade é tolerada.

Conclusão:

Os 3 primeiros níveis de consciência da liderança são focados na criação de uma organização que busca estabilidade financeira, com uma forte base de clientes e que tenha sistemas e processos eficientes. No 4o nível, há a transformação da consciência da liderança, promovendo um clima de aprendizagem contínua e de empoderamento dos colaboradores, à fim de que a organização consiga responder e se adaptar às mudanças internas e externas do ambiente. Nos níveis 5, 6 e 7 de consciência da liderança, o foco passa a ser de uma organização focada em uma missão, visão e conjunto de valores organizacionais, que estabeleça uma conexão interna e externa através de alianças estratégicas que contribua com a sociedade de modo abrangente.

Fonte: “A ORGANIZAÇÃO DIRIGIDA POR VALORES”, Richard Barrett

Créditos: Fabio Souza – Sócio Fundador, CEO, Coach & Trainer da Don Desenvolvimento.